AV Comunicação | “Para sobreviver, o jornalismo tem de se reinventar”, por Adriana Vasconcelos
Anterior
Fechar
Próximo

“Para sobreviver, o jornalismo tem de se reinventar”, por Adriana Vasconcelos

4 de novembro de 2016

É basicamente isso que está acontecendo em duas das principais redações brasileiras, uma privada e outra pública.

Com a concorrência da internet e redes sociais cada vez maior, a Globonews vislumbrou na informalidade e em análises em tempo real um filão para manter a audiência da TV por assinatura, que nunca desliga.

A emissora foi buscar em especialistas, nem todos jornalistas, uma forma de garantir um diferencial para as notícias do dia-a-dia que chegam aos olhos e ouvidos do telespectador.

Alguns dos telejornais da emissora, como o Jornal da Dez, primam pela análise do noticiário do dia, graças a um time de comentaristas de primeira linha, que mostra o bastidor da informação.

A informalidade é outro ponto alto da emissora, que já aboliu o terno e gravata para apresentadores, abrindo espaço para comentários e intervenções de jornalistas da mídia impressa, que têm enriquecido de forma surpreendente sua programação diária.

Já a Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), famosa no meio jornalístico por sua baixa audiência, também começa a engatilhar algumas mudanças no perfil da estatal.

A primeira semente foi lançada esta semana com o novo formato da tão polêmica “Voz do Brasil”, um noticiário considerado excessivamente chapa branca, odiado pelas emissoras de rádios privadas.

Estava no meu carro, na última terça-feira, quando a “Voz do Brasil” começou e me surpreendi com uma entrevista ao vivo com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, explicando os motivos que levaram o governo a propor o teto de gastos para o governo federal.

Embora alguns coleguinhas tenham debochado na entrevista, insinuando um jogo de cartas marcadas, achei a ideia sensacional, na medida em que inova e aproveita de forma mais didática e direta essa janela obrigatória de distribuição de notícias do Executivo.

Com as redações cada vez mais enxutas, se o jornalismo não se reinventar, corre o risco de naufragar como a economia brasileira.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado

Aguarde...