AV Comunicação | “O jornalismo aceita qualquer pergunta, menos despreparo”, por Adriana Vasconcelos
Anterior
Fechar
Próximo

“O jornalismo aceita qualquer pergunta, menos despreparo”, por Adriana Vasconcelos

24 de setembro de 2016
-

Como testemunha privilegiada da história, seja da sua cidade, estado, país ou planeta, o jornalista está autorizado a formular qualquer pergunta que possa esclarecer algum ponto nebuloso ou confuso da notícia que deverá levar a seus leitores, ouvintes ou telespectadores. Desde que, claro, mantenha o tom respeitoso e profissional.

Essa, pelo menos, é a conduta que se espera de um profissional independente. Por mais constrangedora ou até óbvia que seja sua pergunta, o jornalista está no seu direito de perguntar. Melhor isso, do que passar adiante uma notícia errada.

De qualquer forma, isso não exime o profissional de imprensa de se preparar minimamente antes de qualquer cobertura. Estar em dia com o noticiário e os protagonistas do assunto a ser abordado é quase que uma pré-condição para começar a apuração.

Caso contrário, você corre o risco de passar vergonha e ainda expor sua falta de preparo.

Foi o que aconteceu com o repórter francês Martin Weill, do programa ‘Le Quotidien’, do Canal +, durante a cobertura da 71ª. Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas. Ao abordar a comitiva portuguesa, o jornalista entrevistou Marcelo Rebelo de Sousa sem saber que se tratava de ninguém menos do que o presidente de Portugal.

Durante a entrevista, o repórter francês questionou Sousa sobre as eleições americanas e uma possível preocupação com o candidato republicano Donald Trump. O presidente português, então, respondeu que “tinha um princípio de não comentar as eleições de países amigos”.

Só diante desta resposta é que o afoito jornalista decidiu indagar qual a delegação que seu entrevistado integrava. Rindo, o presidente respondeu: “Portugal”. Ainda perdido, o repórter prosseguiu perguntando qual seria a função de Sousa, que prontamente esclareceu: “Eu sou o presidente da República de Portugal”.

Esse inusitado episódio mereceu espaço no Portal Imprensa no último dia 21 de setembro.

Para nós, profissionais de imprensa, fica a dica: preparo é fundamental antes de seguir para qualquer cobertura.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado

Aguarde...